Programa

Este curso de atualização para professores de ensino Infantil e Fundamental I propõe a leitura e discussão de narrativas africanas, afro-brasileiras e indígenas voltadas para o público infantil e juvenil, assim como sugere alternativas de abordagem dessas narrativas em sala de aula. Além das literaturas, o curso propõe pensar outras dimensões das culturas e identidades africanas, afro-brasileiras e indígenas que ampliem os referenciais ofertados para as crianças no que diz respeito à lei 11.645/08 (10.639/03). Dessa forma, jogos, brincadeiras, músicas e danças também serão elementos importantes nas discussões e propostas pedagógicas elaboradas. O curso foi desenvolvido no intuito de trabalhar para a concretização de ações para o cumprimento da lei e para a superação da ausência de referências da cultura afro-brasileira, africana e indígena nos currículos escolares do ensino Infantil e Fundamental I. Ademais, o presente curso pretende fornecer, aos professores da educação básica pública e particular do primeiro ciclo de ensino, um repertório de textos teóricos e referências literárias que permitam observar as relações entre literatura, história e sociedade e a importância político-social da inclusão dos temas étnico-raciais nas séries iniciais.
 
PROGRAMA:
 
1ª aula – 05 de agosto de 2017 – 9h00 -13h30
Um século de Literatura Infantil Brasileira: um panorama de produções e reflexões
Século XX. No ano 1920, a publicação de A Menina do Narizinho Arrebitado, de Monteiro Lobato, inaugura a Literatura Infantil Brasileira. A partir desse marco inicial, a aula tem por objetivo propor uma visão panorâmica da nossa literatura infantil, estimulando reflexões sobre a importância do gênero, (re)apresentando alguns conceitos fundamentais para sua compreensão.
Ministrante: Fabio Eduardo Muraca
 
2ª aula – 12 de agosto de 2017  – 9h00 -13h30
Leitura, afeto e identidade leitora
Que mapas afetivos desenhamos com as nossas leituras? A partir da leitura e análise do conto Inventário de imóveis e jacentes, do moçambicano Luís Bernardo Honwana, e do livro infantil Esperando a chuva, de Veronique Vernette, pretendemos suscitar reflexões acerca da identidade leitora e da importância do exercício crítico de educadoras e educadores em seu processo de planejamento, execução e avaliação de atividades de leitura voltadas aos educandos sob a perspectiva da lei 11.645/08.
Ministrante: Denise Censi
 
3ª aula – 19 de agosto de 2017 – 9h00 -13h30
Multiletramentos e as tecnologias
A partir do conceito de letramento, apresentado por Magda Soares (1998), diferenciá-lo dos conceitos de analfabetismo e alfabetização a partir de Rojo (2009). Ampliar a discussão, apontando os conceitos de novos letramentos, a partir de Lemke (2010), apresentando a nova mentalidade de multiletramentos. Neste contexto, discutir a relação dos novos multiletramentos com os letramentos convencionais escolares e de que forma eles podem contribuir para a educação. É possível ainda, conhecer ou aprofundar a discussão e os conhecimentos dos multiletramentos por meio do uso de TDICs com a prática formativa a partir da apresentação e da discussão de uma sequência didática digital e interativa produzida para professores de Ensino Fundamental I sobre lendas ou contos clássicos.
Ministrante: Camila Castro
 
4ª aula – 26 de agosto de 2017 – 9h00 – 13h30 
O Jongo de Piquete
O encontro será conduzido por Gilberto Augusto da Silva, mestre jongueiro de Piquete, cidade que recebeu muitos negros libertos após a Abolição e que tem o Jongo como manifestação cultural de afirmação da identidade negra e da memória viva que se faz resistência. A aula se propõe elaborar um espaço de discussão e de reconhecimento da cultura jongueira a partir dos pressupostos da Lei 11.645/08. 
 
5ª aula – 02 de setembro de 2017 – 9h00 -13h30
Memória e história como resistência: narrativas, biografias e autobiografias
O encontro se propõe discutir o direito à memória e ao registro significativo das biografias, histórias e expressões culturais que envolvem não só nomes já reconhecidos das literaturas, das artes e da historiografia. A aula pretende discutir estratégias para pensar a escrita das biografias e das narrativas de memória que contemplem personagens e expressões culturais próximas do cotidiano dos educandos e educadores, e que valorizem as referências da cultura afrobrasileira e da resistência negra no Brasil. Nesse sentido, o diálogo com o Samba Lenço e com os processos de transmissão dessa tradição sustentada principalmente por mulheres negras vindas do interior paulista para a periferia da capital servirá como importante ponto de apoio para pensar a biografia e as narrativas de personagens pouco conhecidas, mas cuja importância para a memória da resistência negra pode ser ressaltada. Caixas de memórias com cartas, diários, fotos e objetos pessoais serão elementos importantes para pensar a memória que também pode expressar seu interesse e significância como autobiografia.  
Ministrantes: Rosemeire da Silva Vargas, Maria Paula de Jesus, e Rosana Baú Rabello
                                      
6ª aula – 16 de setembro de 2017 – 9h00-13h30
Mulheres negras escritoras, histórias que se cruzam: um olhar atento sobre as questões de gênero, raça e classe na atualidade
No encontro, o texto literário será pensado como território político e de disputa com aspecto biopsicossociais.  Nesse sentido, abordaremos a importância da literatura como espaço de ação política para o enfrentamento do sexismo, do racismo e da hierarquia de classe e discutiremos a psicologia enquanto ciência crítica e engajada na sociedade. Serão analisados criticamente contos de escritoras negras contemporâneas com vistas ao lugar da mulher negra na sociedade de classes e à compreensão da violência contra a mulher no patriarcado. A partir dessas análises, serão realizadas propostas para uma educação voltada para o debate de gênero, raça e classe na sala de aula. Processos de resistência e de ação política, assim como a importância política e social do ativismo de intelectuais e de escritoras negras também serão temas abordados no encontro.
Ministrante: Ianá Souza
 
7ª aula – 23 de setembro de 2017 – 9h00-13h30
Literatura, jogos e brincadeiras
No encontro, apresentaremos diferentes possibilidades de abordagens e práticas pedagógicas que consigam acessar, por meio da poesia, da literatura, dos jogos e das brincadeiras, referências às culturas e às histórias africanas, afro-brasileiras e indígenas. Entendemos que esses elementos podem constituir-se como importantes dispositivos da educação para as relações étnico-raciais e que a experimentação do aprendizado lúdico, da leitura compartilhada de textos e da recreação podem tanto proporcionar a valorização da identidade étnico-racial negra e indígena, como também possibilitar o aprendizado dessas referências como experiência partilhada.
Ministrante: Rosana Baú Rabello
 
8ª aula – 30 de setembro de 2017 – 9h00-13h30
América Latina: contos e encantos.
A partir do livro A Flor de Lirolay e outros contos da América Latina, de Celina Bodenmüller e Fabiana Prando, abordaremos temas pertinentes ao trabalho em sala de aula, tais como:  cultura popular, narração de histórias, o processo de colonização e a permeabilidade do imaginário entre outros. O livro traz 22 contos da tradição oral dos países latino-americanos e um apêndice com informações e curiosidades sobre o continente, seus povos e costumes. A experiência da autora na pesquisa, escrita e narração das histórias da coletânea enriquecerão o encontro. Uma oportunidade ímpar de compartilhar, aprofundar e multiplicar essa vivência. Os educadores serão portadores dessa paixão por nosso continente de muitas vozes, cores, tradições e histórias. Somos loucos por ti, América!
Ministrante: Fabiana Prando
 
9ª aula – 07 de outubro de 2017 – 9h00-13h30
O lugar da poesia no mundo e na formação de crianças leitoras
Um breve panorama dos estudos sobre leitura no Brasil revela o triste cenário no qual a leitura de poesia tem cada vez menos adeptos, reiterando o caráter de resistência que tem marcado historicamente o gênero (BOSI, 1996).  Diante desse quadro, este encontro propõe discutir o lugar da poesia no mundo contemporâneo e na formação de crianças leitoras. Serão, portanto, estimuladas leituras e reflexões acerca de poemas que articulem subjetividades e identidades sociais na relação entre produção e recepção, destacando imagens da infância presentes nos textos. Assim, voltado a princípio para as especificidades da poesia, pretende-se ainda problematizar as suas fronteiras em relação aos demais gêneros, evidenciando perspectivas libertárias tanto na forma quanto no conteúdo de poemas produzidos por poetas afro-brasileiros, africanos e indígenas, considerando as demandas educacionais da lei 11.645/08.
Ministrante: José Welton Ferreira Jr.
 
10ª aula – 21 de outubro de 2017 – 9h00-13h30
A aula tem por objetivo apresentar referências das literaturas afro-brasileiras e africanas de língua portuguesa e promover o conhecimento da obra dos autores por meio de alguns textos literários selecionados para o encontro. A seleção dos textos foi regida sobretudo pelo critério de representatividade (das obras e dos autores) e pelo interesse que os textos possam despertar nos professores e nos estudantes que começam a familiarizar-se com as literaturas africanas.                 
Ministrante: Maria Paula de Jesus
 
11ª – 11 de novembro de 2017 – 9h00-13h30
Escuta, mediação e diálogo
Pretende-se discutir a importância da escuta, da conversação literária, da mediação e do registro para um significativo trabalho com a leitura e com a formação do leitor. "Quando escutamos a maneira singular com a qual as crianças nomeiam o mundo, colocamos em saudável tensão nossas fibras interpretativas", diz Cecilia Bajour no livro "Ouvir nas entrelinhas - o valor da escuta nas práticas de leitura" (editora Pulo do Gato, 2012). Essa escuta, observação e abertura para dialogar com o texto e com as interpretações das crianças são elementos importantes do trabalho de mediação de leitura. O encontro será permeado por essa reflexão e pelo debate sobre práticas para a interlocução com o aluno a partir de textos, vivências, experiências, memórias partilhadas e encontros significativos com a cultura e a história africana, afrobrasileira e indígena.  Será proposta ainda uma avaliação do curso e um diálogo para partilhar experiências no campo da educação e da atuação dos professores para o cumprimento da lei 11.645/08.   
Ministrantes: Maria Paula de Jesus e Rosana Baú Rabello
 
 
BIBLIOGRAFIA:
 
Narrativas:
ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Tradução Christina Baum. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
 
BARBOSA, Rogério Andrade. Ndule Ndule, assim brincam as crianças africanas.
 
BONDENMÜLLER, Celina. PRANDO, Fabiana. A flor de Lirolay.  São Paulo: Panda Books, 2015
 
COUTO Mia, O beijo da palavrinha. Rio de Janeiro: Língua geral, 2006.
______. O gato e o escuro. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2008.
 
DIOUF, Sylviane A.. As tranças de Bintou. Tradução de Charles Cosac, Ilustrações de Shane W. Evans. São Paulo: Cosac Naify, 2010.
 
EVARISTO, Conceição. Olhos d`água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2016.
 
FRANCO, Blandina. LOLLO, José Carlos. A lenda da noite. São Paulo: Callis Ed, 2014.
 
HONWANA, Luís Bernardo. Nós matamos o Cão-Tinhoso. São Paulo: Ática, 1980.
 
INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Povos indígenas no Brasil Mirim. São Paulo: ISA, 2015.
 
LIMA, Maurício. BARRETO, Antônio. O jogo da onça e outras brincadeiras indígenas.
 
LEITE, Márcia. Poeminhas da terra. Ilustrações de Tatiana Móes. São Paulo: Editora Pulo do Gato, 2016.
 
NDIAYE, Marie. A diaba e sua filha. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naif, 2011.
 
NEVES, André. Obax. São Paulo: Brinque-Book, 2010. 
 
OBEID, César. Tupiliques: heranças indígenas no português do Brasil. São Paulo: Ed. Moderna,
 
OBEID, César. Sou indígena e sou criança. São Paulo: Moderna, 2014.
 
ONDJAKI. Ynari: A Menina das Cinco Tranças, São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
 
______. Os da minha rua. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2007.
 
_____. O leão e o coelho Saltitão. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2009.
 
______. O voo do golfinho. São Paulo: Companhia das letras, 2012
 
______. a bicicleta que tinha bigodes. Rio de Janeiro: Pallas editorial, 2012.
 
ROSA, Sônia. Os tesouros de Monifa. São Paulo: Brinque-Book, 2009.
 
PAULINA, Chiziane. As andorinhas. Belo Horizonte: Nandyala, 2013.
 
VERNETTE, Véronique. Esperando a Chuva. Tradução Renato Pedrosa. São Paulo: Pulo do Gato, 2015.
 
Apoio teórico:
ABDALA JR., Benjamin. “A literatura, a diferença e a condição intelectual” In: Revista Brasileira de Literatura Comparada. Rio de Janeiro, 2006, no. 8.
 
ABDALA JR., Benjamin. “Necessidade e solidariedade nos estudos de literatura comparada”  In: De vôos e ilhas – Literatura e Comunitarismos. São Paulo: Ed. Ateliê, 2003.
 
ANDRUETTO, María Teresa. Por uma literatura sem adjetivos. São Paulo: Editora Pulo do Gato, 2012.
 
ANDERSON, Perry. “Trajetos de uma forma literária”. In: Novos Estudos, Nº 77. CEBRAP, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, Rio de Janeiro: Março, 2007.
 
ARROYO, Leonardo. Literatura infantil brasileira. São Paulo: Editora UNESP, 2011.
 
BAJOUR, Cecília. Ouvir nas entrelinhas: o valor da escuta nas práticas de leitura. São Paulo: Pulo do gato, 2012.
 
BATISTA, A. A. G. A avaliação dos livros didáticos: Para entender o Programa Nacional dos Livros Didáticos (PNLD). In: ROJO, R. H. R.; BATISTA, A. A. G. (Orgs.). Livro Didático de Língua Portuguesa, letramento e cultura da escrita. Campinas/SP: Mercado de Letras/EDUC, Coleção As Faces da Linguística Aplicada, 2003. p. 25-68.
 
BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: fatos e mitos/experiências. Tradução Sérgio Milliet. – 3 e.d. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. 2 vol.
 
BORDINI, Maria da Glória. Poesia Infantil e transitoriedade do leitor criança. Via Atlântica, Universidade de São Paulo, São Paulo, n14/dez 2008, p. 23-33.
 
BOSI, Alfredo. Sobre alguns modos de ler poesia: memórias e reflexões. In: BOSI, Alfredo (org.). Leitura de Poesia. São Paulo, Editora Ática, 1996.
 
BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
 
BUNZEN, C. & ROJO, R. Livro didático de língua portuguesa como gênero do discurso: autoria e estilo. In: Maria da Graça Costa Val e Beth Marcuschi (Orgs.). Livros didáticos de língua portuguesa: letramento e cidadania. Belo Horizonte: CEALE/Autêntica, 2005, p. 73-117.
 
BUNZEN, C. Os significados do letramento escolar como uma prática sociocultural. In:
VÓVIO, C; SITO, L; DE GRANDE, P. Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisa em Linguística aplicada: Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010, p. 99-120.
 
CÂNDIDO, A. A literatura e a formação do homem. Ciência e Cultura, v. 24, n. 9, 1972.
______. Literatura e Sociedade. 10ª Ed., Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2008.
______. O direito à literatura. In: Vários escritos. São Paulo/Rio de Janeiro: Duas cidades, 2004, p.169 a 192.
 
CARDEMATORI, Lígia. O que é literatura infantil. São Paulo: Brasiliense, 2010.
 
CAVACAS, Fernanda; CHAVES, Rita; MACÊDO, Tânia. Mia Couto: um convite à diferença. São Paulo: Humanitas, 2013.
 
CHABAL, Patrick. Vozes moçambicanas, literatura e nacionalidade. Águeda: Veja, 1994.
 
COELHO, Nelly Novaes. Panorama Histórico da Literatura Infantil/Juvenil. São Paulo: Manole, 2010.
 
COPE, B.; KALANTZIS, M. Designs for Social Futures. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (Orgs.) Multiliteracies: Literacies Learning and the Design of Social Futures. Nova York, Routledge, 2006, p. 203-234.
_____. Multiliteracies: New Literacies, New Learning. Pedagogies: An International
Journal, vol.4, p.164-195, 2009.
 
CUNHA, Maria Zilda da. Na tessitura dos signos contemporâneos: novos olhares para a literatura infantil e juvenil. São Paulo: Humanitas/Paulinas, 2009.
 
FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.
______. Educação e mudança. Trad. Moacir Gadotti et Lílian Lopes Martin. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
 
GREGORIN FILHO, José Nicolau. Literatura infantil: múltiplas linguagens na formação do leitor. São Paulo: Melhoramentos, 2009.
 
DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.
 
FANON, Frantz. Os condenados da terra. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2005.
 
FONSECA, Maria Nazareth Soares Fonseca e CURY, Maria Zilda Ferreira. Mia Couto: Espaços ficcionais.  Belo Horizonte: Autêntica, 2008.
 
FRYE, Northrop. Fábulas de identidade. São Paulo: Nova Alexandria, 1999.
 
GIROUX, Henry A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.
 
GOMES, Nilma Lino. Diversidade cultural, currículo e questão racial. In: ABRAMOVICZ, Anete, BARBOSA, Lúcia Maria de Assunção & SILVÉRIO, Valter Roberto (Org.). Educação como prática da diferença. Campinas: Ed. Autores associados, 2006.
 
GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Editora Mazza, 2013.
 
JAMESON, Frederic. “O romance histórico ainda é possível?” In: Novos Estudos, Nº 77. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, Rio de Janeiro: Março, 2007.
 
KISHIMOTO, Alexandre. TRONCARELLI, Maria Cristina (org.). O jongo do Tamandaré. São Paulo: Associação Cultural Cachuera!, 2013.
 
KISHIMOTO, Alexandre. TRONCARELLI, Maria Cristina (org.). O reinado da irmandade de Nossa Senhora do Jatobá. São Paulo: Associação Cultural Cachuera, 2015.
 
LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: história & histórias. São Paulo: Ática, 1999.
 
LEÃO. Ângela Vaz (org.). Contatos e ressonâncias: Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Belo Horizonte: PUCMINAS, 2003.
 
LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: 5ªed. Editora Unicamp, 2003.
 
LEITE, Ana Mafalda. Oralidades e escritas nas literaturas africana. Lisboa: Edições Colibri, 1998.
 
LEMKE, Jay L. Letramento metamidiático: transformando significados e mídias. Trab. linguíst. Apl., Campinas,  v. 49, n. 2, p. 455-479,  Dez.  2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-18132010000.... Acesso em: 21 mar. 2017.
 
MARGARIDO, Alfredo. “A literatura angolana: da descoberta ao combate”. In: Estudos sobre as literaturas das nações africanas de língua portuguesa. Lisboa: A Regra do Jogo, 1980.
 
MIRANDA, Maria Geralda de e SECCO, Carmen Lúcia Tindó (org). Paulina Chiziane, vozes e rostos femininos de Moçambique. Curitiba: Ed. Appris. 2014.
 
MORAES, Anita Martins Rodrigues de. O inconsciente teórico: investigando estratégias interpretativas de terra sonâmbula, de Mia Couto. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009.
 
MUNANGA, Kabengele. (Org.) Superando o racismo na escola. Brasília: EC/SECAD/BID/UNESCO, 2005.
 
NETO, Agostinho. Sagrada esperança. Salvador; Luanda: Edições Maianga, 2004
 
OLIVEIRA, Gabriela R. O professor de português e a literatura: Relações entre formação, hábitos de leitura e práticas de ensino. São Paulo: Editora Alameda, 2009.
 
PADILHA, Laura. “Da construção identitária a uma trama de diferenças – um olhar sobre as literaturas de língua portuguesa”. In: Revista Crítica de Ciências Sociais, 73. Coimbra, 2005.
 
PALO, Maria José e OLIVEIRA, M. Rosa. Literatura Infantil: voz de criança. São Paulo: Ática, 2003
 
REYES, Yolanda. Ler e brincar, tecer e cantar: literatura, escrita e educação. Tradução Rodrigo Petronio. São Paulo: Editora Pulo do Gato, 2012.
 
ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.
 
SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica,1998.
 
ROSA, Allan da. Pedagoginga, autonomia e mocambagem. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013
 
ROSÁRIO, Lourenço do. Moçambique: história, culturas sociedade e literatura. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.
 
SANTILLI, Maria Aparecida. “Literaturas de Língua Portuguesa. A polêmica do denominador comum”. In: Paralelas e tangentes – entre literaturas de língua portuguesa. São Paulo: Centro de Estudos Portugueses/USP, 2003. Via Atlântica.
 
SANTILLI, Maria Aparecida. “O fazer-crer nas histórias de Mia Couto”. In: Via Atlântica: Dossiê África. São Paulo: Centro de Estudos Portugueses/USP, 1999. Texto disponível no endereço: http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/viewFile/49010/53088
 
SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. letras em laços. Rio de Janeiro: Atlântica, 2000.
 
SERRANO, Carlos; WALDMAN, Maurício. Memória d’África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2010.
 
SILVA, Cidinha da (Org.). Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2014.    
 
SOUSA, Cynthia Pereira de (et. al.). A diversidade e o trabalho escolar, 4: histórias de vida, autobiografias e projetos de formação. São Paulo: FAFE – Fundação de Apoio à Faculdade de Educação, 2006.
 
SOUZA, Florentina e LIMA, Maria Nazaré (Org). Literatura Afro-Brasileira. Centro de Estudos Afro - Orientais, Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.
 
SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.
 
TAVARES, Ana Paula. “Cinquenta anos de literatura angolana”. In: Via Atlântica, São Paulo, n. 3, 1999. Texto disponível em: <
http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/49012/53090>.
 
VARGAS, Rosimeire da Silva. Samba-lenço de Mauá: memória e tradição do samba de bumbo paulista; 2016; Monografia; (Aperfeiçoamento/Especialização em UNIAFRO - política de promoção da igualdade racial na escola) - Universidade Federal de São Paulo, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, 2016. 
 
 
Legislação
BRASIL. Lei 10.639/2003. Brasília: MEC, 2003.
______. Lei 11.645/2008. Brasília: MEC, 2008.
______. Orientações e ações para educação das relações étnico-raciais. Brasília: SECAD, 2006.
______. Parecer CNE/CP 003/2004. Relatores: Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva (Relatora), Carlos Roberto Jamil Cury, Francisca Novantino, Marilia Ancona-Lopez. Brasília: MEC, 2004.
 
Sites: 
ROSA, Allan da. Mukundo Lírico. Disponível em: http://www.mukondolirico.com.br/. Acesso em 20 de março de 2017. 
 
MAE. Recursos Pedagógicos no MAE/USP. Disponível em:
http://www.vmptbr.mae.usp.br/modules/TDMDownloads/viewcat.php?cid=13. Acesso em 22 de março de 2017. 
 
Instituto Catitu – Aldeia em cena. Disponível em: http://institutocatitu.org.br/. Acesso em 20 de março de 2017. 
Ikpeng. Projeto Mawo. Disponível em: www.ikpeng.org. Acesso em 23 de março de 2017. 
 
Vídeo nas aldeias. Cineastas indígenas Hunikui. Disponível em:
 http://www.videonasaldeias.org.br/2009/. Acesso em 27 de março de 2017. 
 
Canal Lagarta Listrada. Acessível em:
https://www.youtube.com/channel/UCJkhPhGZ8AZJ5eidCxIJGiQ. Acesso em 20 de março de 2017. 
 
SESCSP. Jogos e brincadeiras Kalapalo. Disponível em:
 https://ww2.sescsp.org.br/kalapalo/. Acesso em 28 de março de 2017. 
 
GELEDÉS. Jogos e brincadeira africanas. Disponível em:
www.geledes.org.br/wp.../11/Apostila-Jogos-infantis-africanos-e-afro-brasileiros.pdf. Acesso em 22 de março de 2017.